terça-feira, 30 de outubro de 2012

Eu sou... Clive B: Capítulo Terceiro: Voar e Caminhar, Me Diga, Qual a Diferença?

O gosto pelos meus lábios ainda era áspero, como de quando eu comia merengue do bolo e bebia algo gaseificado. Minha língua parecia dormente. Formigava. E meus olhos castanhos só ardiam. Me espichei um pouco pra tentar ligar o abajur. Em vão. A sombra tomou várias formas, e como numa viagem psicodélica no tempo, revi fantasmas de gente ainda viva e senti toda a vitalidade de almas que perambularam pelas avenidas da minha história.


Desespero é uma sensação engraçada. Às vezes tem gente frustrada porque não tomou a superdose correta de remédios a ponto de se matar. E em outros casos já vi gente agoniada com a saudade, chegando a agir por seus impulsos mais animalescos como carnívoros malditos de dieta há semanas, que veem um pedaço de carne pingando sangue no seu focinho.


Tentei sorrir. Meus lábios congelaram num raio que percorreu toda minha pele. Não sentia minhas pernas. Eu só voava. E tudo ao redor perdia a órbita pra se chocar 'vulcanicamente' nos meus olhos. Senti uma angústia forte que acelerou o som do desenho da caixa instalada ao lado da minha cama, que agora pareciam montanhas russas enfurecidas. O raiozinho verde do aparelho subiu e desceu em pontos que eu não sabia que eram possíveis, até que enfiou-se numa reta...


Neste momento engoli o vômito que logo vinha, e tudo escureceu. Logo após esverdear. A sombra se extinguiu. O lado bom? Senti meu lábio mordendo o outro, e isso me animou.

Aquela era mais que uma sombra! Era uma companhia. Tinha aparência disforme. Mas estranhamente me excitava. Acho que depois de plantar tanta ideia enfim colhi todas juntas. Logo pude abrir um livro e nele ver vidas recortadas e coladas como um álbum de família. Irônico, me senti abraçado.

Acordei de novo. Havia muito murmúrio. Luzes brancas e um falatório uníssono tomavam conta do local. Lambi os lábios como uma criança que aprende um novo gesto. (Parecia um tamanduá procurando formigas). A sombra desaparecera - Mas não da minha vida, pois ela preenchia minha metade - Apenas do quarto.


Ergui o tronco pra sair da cama. Uma nova onda me abateu. Flutuei pra longe de tudo. Perdi meu epicentro, minha referência... E lacrimejei como uma criança que pede doce (sempre infantilizo referências).

"Justo agora que me sentia metade bem" Pensei.
"Não sinto minhas pernas..." Dessa vez pensei tão alto que acho que gritei junto das lágrimas que me atravessavam, instintivamente.

Espero que adultos também voem...

33 comentários:

  1. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  2. Oi, Luís! Obrigada pela visita no Delírios de Paty. Seja sempre bem-vindo por lá. Sou sua mais nova seguidora :D o/
    www.deliriosdepaty.blogspot.com

    O blog tb tem fanpage. Tenho certeza que você vai curtir. Sempre atualizo com assuntos bem legais sobre moda, beleza e delírios da vida hehehe Te espero por lá ;)
    https://www.facebook.com/deliriosdepaty

    ResponderExcluir
  3. Ôi Clive! Seja sempre bem-vindo! Que bom que gostou aqui do blog e está seguindo... Já sou tua seguidora faz um bom tempinho e me encontro na 4ª ou 5ª página do teu mosaico, se não me engano... Eu me achei lá....Faço novas postagens sempre às 2ªs e 5ªs!Ótima semana pra você! Grande abraço!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá Luis!
    Adorei esse conto(ficção) que você fez.
    Você consegue entrar no ego dos leitores que não conseguem parar de lê-lo e, com pressa de saber o final.
    Realmente você me convenceu, estou seguindo.
    Já está prontinho para editar um livro de contos.
    Lindo!Você é demais.
    Beijos no seu coração
    Lua Singular

    Uma brincadeirinha para você:

    Estava tendo convulsão e, sozinho tentou clarear o quarto, mas sua nem senti sua língua.

    Teve um horrível pesadelo:desespero, saudade, comida em exagero.

    Quis voltar a si, voar significa morte, via de tudo no seu delírio.

    Se tivesse vomitado acordaria.

    Nessa loucura que estava lembra-se até dos mortos

    Já estava com fome novamente,creio que vomitou e sentiu-se melhor.

    Quis acordar, mas seu sono profundo não o deixou.

    Agora estava melhorando e sorria de alegria e suas lágrimas o desnudou, molhando-o todo.

    Claro, voamos com você.



    ResponderExcluir
  5. Olá Luis
    ERRATA na 1ª parte de brincadeirinha escrevi duas vezes sua.
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  6. Olá Luis.
    Entre o sonho e a realidade, a vida e para além da vida... a matéria e a consciencia... A agonia física e o voo espiritual. Assim entendi o teu texto. Muito bom o teu conto.
    Obrigada pela tua vizita. Vou seguir-te, gostei da tua forma de escrever.
    Abraço sincero.
    http://falandocomosmeusbotoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá luis chegando por aqui ...Amigo és muito bom de conto viu ...fala sério te lendo entrei num viagem Woodstokiana impressionante...viajei de mala e cuia ...no seu conto fui lá ver o hendrix tocar guitarra e janis joplin pirar as pessoas com aquela voz luoca cantando summer time. viu fiquei seu fã velho ...muito bom...parabéns Pedro Pugliese

    ResponderExcluir
  8. Olá Clives!
    Eu adoro sua forma de se expressar, ta nem aí pra nada, usa palavras no popular mesmo.

    "Me espichei um pouco pra tentar ligar o abajur"
    "Pedaço de carne pingando sangue no seu focinho"
    Claro que tudo dentro de um contexto.

    Muito bom ler até o fim

    A frase final,rs nem pense nisso!

    Bjos e volto! se por ventura eu esquecer vc me lembra. Brincadeira, mas te espero no meu blog tbm.

    Obrigada.

    ResponderExcluir
  9. Meu querido,tu voastes...mas como insistes em amar essa criança que há em ti...negas esse poder de voar agora, quando adulto!
    Para mim a diferença entre voar e caminhar é:
    Caminhar é teu viver real,passando pela vida... e voar, é a fuga da realidade ou então a procura da ânsia louca por um cadinho de paz.
    Amei:
    ...................................
    "revi fantasmas de gente ainda viva e senti toda a vitalidade de almas que perambularam pelas avenidas da minha história."
    Senti profundamente a tua solidão!!!!
    ...................................
    " Acho que depois de plantar tanta ideia enfim colhi todas juntas. Logo pude abrir um livro e nele ver vidas recortadas e coladas como um álbum de família. Irônico, me senti abraçado."
    Em todos os acontecimentos em nossas vidas,numa certa altura,passam voando fatos,lembranças e idéias...e tudo se torna UM...por isso a sensação do abraço!
    O que tu procuras???
    O que te consola???
    Por enquanto o teu refúgio é poder voar!!!
    Tens uma alma linda e maravilhosa!!!!
    Beijão...

    !

    ResponderExcluir
  10. Você é um blogueiro de alma carismática, talentoso, cujo textos nos faz refletir.ler seus textos é uma viagem alucinante, onde desembarcar é triste.Abraço carinhoso.:-BYJOTAN.

    ResponderExcluir
  11. visite este blog
    pretende visitar e se reunir com o seu
    Blog é muito bom
    Aqui eu só quero visitar um colega blogueiro e World familiarizado
    para participar na aprendizagem e leitura de mensagens
    boa tarde
    obrigado

    ResponderExcluir
  12. Oi Luís, ainda não conhecia seu blog, os textos são muito bons, vc escreve muito bem, eu amei *.*
    Bjos!!
    (Paty)

    ResponderExcluir
  13. Adorei o conto.
    É um livro? Está escrevendo um? Se tiver, me avisa que vou querer.
    Fazemos parcerias com blogueiros e autores blogueiros também.
    Caso se interesse...

    M&N

    ResponderExcluir
  14. De mim para ti....
    Do meu blog para o teu...
    http://4.bp.blogspot.com/-MAxZVetK0qo/UJGBQ98BssI/AAAAAAAAJ_I/u91MKNtWzk8/s220/eubabonoteublog_copy_jpg1AZUL.jpg
    Se tu não gostastes...paro de babar....rsrsrsrsrs...
    Beijo-te!

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Vim aqui agradecer a visita e me deparei com esse texto maravilhoso! Não posso ler ele com pressa! Prometo voltar depois para ler esse e as outras partes com mais calma, mas desde já garanto que gostei muito do seu estilo de escrita!

    Além do Mente Hipercriativa, também tenho um blog só de contos: Universo Invisível (http://universo-invisivel.blogspot.com.br/)
    Se quiser faça uma visita! Será muito bem vindo!

    Beijussss;
    http://hipercriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Uau, esse está ainda melhor que o anterior. Você tem um talento e tanto. Consegue brincar com as palavras e com os sentido dos leitores... Realmente parabéns!

    Fico feliz de ter conhecido seu trabalho! Sucesso!

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Olá Luís,

    Passando para agradecer a visita. Bem expressivo este capítulo. Voltarei depois com mais tempo para ler um pouco mais. Você é bem talentoso na arte da escrita. Adorei ler.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. "O raiozinho verde do aparelho subiu e desceu em pontos que eu não sabia que eram possíveis, até que enfiou-se numa reta".

    Lembrei daquele aparelho que mede a frequência cardíaca . Será que ele também monitora os pensamentos ? O que acontece quando a linha fica reta? Sinônimo de que o paciente morreu ! O que é morrer? Não poder ser mais você?! Ser quem?

    Voar , criar , ser outro alguém , um gestáltico talvez ?! Seria preciso isto para compreender as partes do todo ? E mesmo assim sempre fica uma lacuna . Esta companhia pode ser o Clive que não é exatamente o Luiz , que talvez seja o João ou a Maria .

    Voar nos remete a outro ser . Caminhar é sentir um lábio mordendo o outro .



    "Incrível "

    ResponderExcluir
  19. Uma verdadeira viagem esse capítulo. Tudo misturado, intenso.O desespero é algo realmente engraçado.
    No momento estou exatamente assim: Desesperada. E sabe o que é realmente engraçado? Não sei o que fazer com esse turbilhão de sensações.
    Talvez aparecer uma linha reta dessa em minha vida não fosse tão ruim assim...

    Esperando pelo próximo capítulo.
    Beijos, Gi.

    ResponderExcluir
  20. Olá vim retribuir sua visita, como as suas poesias são intensas,não? Parabéns.
    Estou ti seguindo também, bom feriado!

    ResponderExcluir
  21. Já estou te seguindo! *-*

    http://expectativasreais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Texto intenso e muito bem escrito! Transmite muita emoção.... Um abençoado e feliz fim de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Luis, é um texto pungente!
    O peso da angústia nos membros e na alma.
    Excelente.

    ResponderExcluir
  24. Meu nome é António Batalha, estive a ver e ler algumas coisas de seu blog, achei-o muito bom, e espero vir aqui mais vezes. Meu desejo é que continue a fazer o seu melhor, dando-nos boas mensagens.
    Tenho um blog Peregrino e servo, se desejar visitar ia deixar-me muito honrado.
    Ps. Se desejar seguir meu blog será uma honra ter voce entre meus amigos virtuais, decerto irei retribuir com muito prazer. Siga de forma que possa encontrar o seu blog.
    Deixo a minha benção e a paz de Jesus.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite
    um perfeito fim de semana
    pra vc e sua familia
    /(.”)__☆
    /||\
    _||_
    beijão ♥
    não deixe de participar dos sorteios ;)
    www.coisasdeladdy.com
    http://www.facebook.com/coisasdeladdy

    ResponderExcluir
  26. Mto bom!!!!
    sede de leitura!!!
    que venha o proximo1
    bj
    opinandoemtudo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Amei o conto, mas fiquei um pouco perdida O.O
    http://fasesdegarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Se isto for parte de um futuro livro, quero saber quando for lançar. Adorei a forma como você escreve, bem diferente e um tanto "poético".
    Abraços,
    Gabi.

    ResponderExcluir
  29. Olá Luís...

    Por vezes sentimo-nos assim, numa agonia que aterroriza nosso ser...

    Por vezes flutuamos entre o sonho e a realidade... Mas o melhor é caminharmos por entre o sol...

    Escreves muito bem e com muita propriedade...

    Perdoe-me se meu comentário não adapta-se ao teu conto, pois o mesmo para mim é muito enigmático...

    Grata pela visita...

    Bacio blu nel cuore

    Obs:Tire esta verificação de palavras, além de não servir para nada, só atrapalha. Imagine termos que provar que não somos robô! Fala sério hem!!!

    Com respeito!!...

    ResponderExcluir
  30. Oi, Luís. Passei para retribuir sua visita ao meu blog, seu espaço é muito criativo. Gostei da forma como escreve. Um abraço!

    ResponderExcluir
  31. OI LUIZ!
    TENS O DOM DA ESCRITA, INEGAVELMENTE.
    ESTOU ADORANDO.
    III°.
    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  32. Oi Luíz!! Já sou tua seguidora ha algum tempo e adimito muito o que escreves. Mensagens poéticas fortes e profundas. Veja que lindo!!"Ambiguidades tão insanas que me excitam. Como uma dor que me faz sorrir, ou uma sede devastadora de culpa. Auto-piedade. Dó que eu renego das pessoas. Mas que aceito de bom grato da minha consciência".Uma culpa insana, meio loca e consciente, porque aceitas e não renegas, apesar que em alguns momentos sejas contraditórios os teus desjos!1 Desculpe, foi a minha reflexão. Abraços muito sucesso.Obrigada por seguir meu blog. Volte sempre!!

    ResponderExcluir
  33. Ainda estou em duvida do que
    senti até este momento. Não quero
    colocar os carros na frente dos bois,
    mas to sentindo algo muito forte neste
    relato do Clive, isso não me assusta,
    mas me fez, até o momento, sentir pena...
    Mas vamos la para o outro capitulo, to
    curiosissima...Abraços e me segue, to correndo
    nas leitura. Sabe, e passa assim como, uma prosa
    poetica e declarada...

    ResponderExcluir

Leia com atenção.
Não esquecendo que tudo é desenvolvido como poesia livre, seja uma crítica ou um ponto de vista.
Ninguém é obrigado a concordar, mas respeitar e ser sincero ajuda ^^