terça-feira, 6 de novembro de 2012

Eu sou... Clive B. Capítulo Quarto: Embriagado Para o Início

Se eu fosse um cronista talvez confundisse as pessoas com mais facilidade. É que as ações e futuras reações que são como pedras jogadas numa lagoa, não tem data marcada. Não são previsíveis. Então na véspera do dia 12, lá estava prestes a desenhar uma nova faixa atemporal.


Eu corri. Escondi-me. Pensei ter fugido. Na verdade quando a adrenalina borbulhou até o meu córtex cerebral eu já tinha tomado todas ... As atitudes precipitadas e descabidas que eu poderia imaginar. Foi um estardalhaço. Uma zona de guerra.
Eu disse, no início, que era um soldado refugiado de uma guerra. Mentira. Nunca travei batalha alguma. Sou um desordeiro quase apaziguador. É tão deprimente ser um trovão guardado no bolso, que eu preferia explodir agora. E talvez tudo fizesse algum novo sentido.


Eu queria ter crescido construindo sonhos e cultivando novas imagens inesperadas -- Bem, talvez criando essa mentira um dia talvez eu me convença.


Eu havia perdido. Fui derrotado pela falta de força. Fraqueza é pouco! Sou tão incerto quanto um vagalume bêbado e sem luz. Meus prismas sempre foram invertidos, e quando dei conta, subi os 12 andares tão rápido, que cheguei ao topo caçando oxigênio nas luzes de lá de cima. Joguei-me ao chão e engatinhei, até o parapeito. Eis a ponte dourada que eu sonharia. Traguei mais oxigênio e raiva. Era como um combustível. De olhos fechados as lembranças eclodiam. De olhos abertos, as luzes me hipnotizavam e convidavam para uma dança aromática. Lá de cima me sentia forte, seguro. Mas logo o líquido vermelho que nos une por laços humanos escorria através do meu pulso direito. Banhei-me de glórias, enfim.


Eu disse "eu perdi tudo". Mas que tudo? Jamais havia tido metade de qualquer coisa. Não cultivei uma porção de coisa alguma. Não chorei por dores, não sorri por amores. Era um cão que apenas ladrava, correndo atrás dos carros. Mas se um carro, um dia parasse, eu não saberia o que fazer.
Agora já com o tal fluido rubro banhando e tingindo minha coerência, arriscaria pensar em arrependimento. Mas arrepender de que? Eu pedi para que ele agarrasse-me e não soltasse. E se por ventura soltasse, que levasse embora junto meu ar. E assim o fez.


Tonteei. Sentei. Cabeça baixa, vendo pingar gotas do tempo que minha testa carregavam. Olhei ao redor como uma criança que procura ter certeza de que está sozinha para aprontar alguma. E sozinho estava. Como de costume. Como reconforto. Véspera e dia formaram uma simbiose assintomática na minha consciência, e tudo passou-se depressa. Tão logo.


Recordações, como fotografias me estamparam. De um ontem ilimitado. Garrafas que bebi, desamores que bebi, laços e entrelaços rompidos, inexistentes. O cão se achava bom porque tinha a melhor rua. Mas o cão era apenas um qualquer, que corria como vira-lata, e cheirava como vira-lata. Vítima de si mesmo.


Foi então que após flertar com todos esses espectros (nisso eu era bom), aceitei o pedido, e saltei para a pista de dança, onde o sangue agora parecia mais real, e anestesiava antebraço, ombro e visão. Eu era um cão vagabundo, um dançarino poligâmico, um soldado no exílio e um órfão da vida. Era, agora, Clive B.

38 comentários:

  1. Ótimo texto! Amei a imagem do cão que corre atrás dos carros... se o carro pára, ele sai correndo para longe.

    ResponderExcluir
  2. Olá Luiz!
    Muito obrigada por ter gostado do meu artigo sobre HOTD. Fiz o possível para que o texto ficasse atrativo e incentivasse as pessoas a conhecerem ou quem conhecesse, a opinar. Vc está seguindo meu blog? Não apareceu n o meu painel de Seguidores. Já estou seguindo o seu o/
    e gostei muito da sua narrativa nessa crônica. Visualizei toda a cena ali e a esperança do personagem ao final,optando por sua escolha.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Que testo ótimo, gostei. bjs
    http://no-planetaroom.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Luis
    Obrigada pelo carinho no meu blog.
    Uma bela crônica. Um texto atraente que prendeu minha atenção do início ao fim. Um abraço
    Gracita

    ResponderExcluir
  5. Oiii :) obrigada pela visitinha no blog :D

    Você tem um lindo dom. Escreve muito bem. Parabéns ;)

    http://deliriosdepaty.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá meu amigo! É um prazer vir aqui! Você tem um dom nato para a escrever crônicas... Muito bem escrito e desenvolvido! Parabéns! Prendeu minha atenção até o fim! Muito obrigada pela visita e pelo carinho! Terei post novo 5ªF, dia 08/11! Te espero! Ótima noite! Abração!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroptafora.blogspot.com.br/
    PS.: Posso sugerir a você que desative verificação de palavras?... Facilitaria muito pra quem comenta!...

    ResponderExcluir
  7. Clive!
    Complicado perder, ainda pior é quando não se tem nem o que perder.
    Eu gosto do que vc escreve.
    Você e as palavras se dão super bem.Um texto magnifico.


    Obrigada pela visitinha tha?
    Bjos ótima noite e quarta feira cheia de benção.

    ResponderExcluir
  8. OI TUDO BEM !!
    OI ADOREI SEU BLOG JÁ ESTOU SEGUINDO PODERIA POR GENTILEZA SEGUIR O MEU TAMBÉM , E CLICAR NO G+ . MEU BLOG É :- http://brechodosul.blogspot.com.br , VAI DAR UMA OLHADINHA SERÁ UM PRAZER EM RECEBER .
    OBRIGADA AGUARDO SUA GENTILEZA

    SE QUIZER VOTAR NO TOP BLOG DO QUAL SOU FINALISTA AGRADEÇO !!!



    MARCIA REGINA - DESCULPE-ME A LETRA GRANDE MAS SOU DEFICIENTE ESPECIAL

    ResponderExcluir
  9. Bom dia
    Ontem eu li o seu post.
    O Senhor disse: Venha a nós o vosso reino, seja feita a tua vontade....
    Dorli

    ResponderExcluir
  10. Luís,
    Espero que Clive B. tenha uma segunda chance.
    Pra afastar os próprios fantasmas, descobrir o que precisa sobre si mesmo e recomeçar...
    Talvez, seja mesmo preciso morrer para que isso aconteça.
    Essa história é bastante intensa.
    Você é um escritor incrível!

    ResponderExcluir
  11. Oi Luís!
    É nessas horas que sentimos não estarmos só, uma Luz misericordiosa sempre faz com que voltemos à razão!
    Esperanças sempre!
    Lindo texto, parabéns e que você tenha um dia feliz!
    Abraços,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  12. Clive Amigo aqui estou com muito prazer viu...Veja bem Clive sempre terá uma nova oportunidade....É pensar na arte do encontro dentro de si ...para que toda força que chamas de fraqueza ...esquecendo um pouco da beleza dos seus sentimentos aflorem verdadeiramente e ai o encontro passa acontecer externamente também.....É fato que só se constrói algo sobre forças ...é fato que temos muitas e inúmeras fraquezas....Mais temos e aprendemos a transforma-las em forças....Meu amigo querido....A primeira pergunta que devemos nos fazer num momento onde precisamos virar a mesa é a seguinte....DE QUE NECESSITAMOS !!!...Pois É determine o que ...e se dirija firme nesta direção ...Você é um cara que escreve muito bem é extremamente inteligente tenho sim lidos seus textos ...desde que vieste aqui que percebi que és uma pessoa especial cheio de DONS...Eu já perdi tudo muitas vezes...E sabe Hoje penso quando perdemos tudo estamos melhores que aqueles que tudo tem ...poie estes tem muito a perder...nós que nada temos ...só temos a ganhar ...Um grande abraço do amigo e que DEUS te ilumine mais e mais viu Pedro Pugliese

    ResponderExcluir
  13. Oi Luiz!
    Ah! Obrigada pela sua visita e pelo comentário em meu blog!!

    ResponderExcluir
  14. Luiz,

    Gostei muito deste texto, muitas frases me levaram a imaginar cenas! Tal com o "ser um trovão guardado no bolso, que eu preferia explodir agora." E tambem, no enredo, por se considerar um vira-lata. Acho que muitas pessoas se sentem assim algumas vezes.

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Correu, se escondeu
    Pensou ter fugido
    Belo texto escreveu
    Gostei de o ter lido!

    Pela sua visita obrigado
    Seu texto bem escrito
    Com sabedoria publicado
    Que por muitos seja lido!

    Boa quarta-feira para você,
    amigo Luís.
    Um abraço
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  16. Olá Luis. Obrigada pelo teu comentário no meu blog.
    Gostei da imagem do trovão guardado no bolso, por vezes somos isso mesmo, pretes a explodir.
    Também gostei da parte do cão que corre atrás dos carros mas se parassem não saberia o que fazer. Também nós por vezes corremos atrás de coisas que se alcançássemos não saberíamos o que fazer com elas.
    Um abraço.
    http://falandocomosmeusbotoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. OI LUIZ!
    COMO JÁ DISSE ANTERIORMENTE ÉS DOTADO DO DOM PARA ESCREVER.
    CONSEGUES PRENDER O LEITOR, TRAZES PARA O MOMENTO COISAS QUE ESCREVESTES EM OUTROS CAPÍTULOS O QUE VAI FACILITANDO A LEITURA E O ENTENDIMENTO DO TEXTO.
    NÃO QUERO CONFUNDIR TEU PERSONAGEM COM TUA PESSOA,POIS ASSIM ENTENDI TUA CRÔNICA, ENTÃO, TE DOU OS PARABÉNS, VOU TE SEGUIR E VOLTAREI.
    ABRÇS
    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  18. Menino, parabens pelo texto! Muito bom, de verdade! Obrigada pela visita ao meu blog, espero que tenha gostado e que volte sempre la ^^

    Beijos :***

    www.tahgarela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Nunca travastes batalha nenhuma???
    MENTIRA...travas todos os dias!
    Por que deprimente ser um trovão guardado no bolso(achei lindo isso)e preferir explodir agora?
    Já reparastes na beleza do trovão???
    Tire-o do bolso, assim encantarás aqueles que te vêem...
    Se querias ter crescido construindo sonhos e cultivando novas imagens inesperadas...ainda é tempo,não desista,faça!
    Está mais que na hora de te valorizares...
    ..........................
    "Foi então que após flertar com todos esses espectros (nisso eu era bom), aceitei o pedido, e saltei para a pista de dança, onde o sangue agora parecia mais real, e anestesiava antebraço, ombro e visão. Eu era um cão vagabundo, um dançarino poligâmico, um soldado no exílio e um órfão da vida. Era, agora, Clive B."
    Ao pensares que eras nada...na realidade tu és TUDO!!!!
    Beijos...
    Perdoe-me,por favor,por não ter aparecido antes,mas haviam derrubado meu blog e agora tenho um monte de coisas para por em dia...mas feliz demais por ter tu e todos os outros blogueiros e amigos de volta para o meu aconchego!
    Beijão.....


    ResponderExcluir
  20. Só posso dizer que seus post´s são incríveis,você consegue transmitir a cada um deles uma carga dramática que eu gosto muito.Me identifico com esta postura depressiva e esta visão caótica da sua realidade.Ainda bem que escritores, jamais morrem, principalmente os talentosos.Nelson Rodrigues: grande mestre no duplo sentido da conotação sexual.
    E você iniciante corajoso no grande sentido da linguagem depressiva...Leia-se morte.
    Abraço de quem te lê com grata satisfação.:-BYJOTAN.

    ResponderExcluir
  21. Me identifico com o Clive em alguns aspectos, essa forma de ver o mundo e o pouco de melancolia que enxergo no texto.
    Está ficando melhor a cada parte, não tem como ler e não se imaginar na cena.

    Meus parabéns, mais uma vez!

    ResponderExcluir
  22. "Vítima de si mesmo."
    Todos somos, basta apenas perceber.
    A cada capítulo me identifico mais e mais com o Clive. Incrível como consigo me ver ver tanto nessas linhas, e mais incrível ainda é perceber o quanto consigo ser tola ao tentar fugir disso tudo.

    Novamente um capítulo que me fez reavaliar tudo. Apenas eu.

    Beijos, Gi.

    ResponderExcluir
  23. Genial! Isto sim é saber escrever. Poucos assim se acham por essa bostofera (perdoe-me).
    Um abraço!
    Volto, com certeza.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Olá gato =)

    Obrigada pela visita ... adorei!!!
    já estou seguindo tbm !!!

    http://quero-ser-ryca.blogspot.com.br/2012/10/primeiro-sorteio-do-blog.html#comment-form

    bjão tenha uma linda semana;*

    ResponderExcluir
  26. Gostei do seu texto. Vi perfeitamente as imagens que você criou com as palavras. Isso é incrível! Adoro isso em um texto!

    Continue escrevendo! Você tem muito talento!!

    Obrigada pela visita e comentário no meu blog!!
    Beijussssss;

    http://universo-invisivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Olá boa tarde pra você
    Vim agradecer as palavras de
    carinho, tb´me conhecer seu espaço
    e gostei desse texto valioso muito
    bom mesmo, seu talento é divino
    Abraços com carinho
    Rita!!
    ‎(¯`v´¯)
    `·. ¸.·´
    ☻/
    /▌

    ResponderExcluir
  28. Bem amigo Luís li todo o seu poster, se deseja a minha a opinião sincera eu vou dar, se não gostar do meu comentário, só tem uma forma colocar no lixo. 1º gostei do seu fraseado muito bem escrito não há dúvidas, sinceramente não sei escrever assim, como poesia achei muito bom, mas achei um pouco melancólico e rude, rude como se expôs,—Era um cão que apenas ladrava, —Há quem ache o texto divino, eu não, como disse é poesia muito boa. Esta é a minha opinião claro. Eu já sigo o amigo, estou na segunda ou terceira virada.Tudo de bom,um abraço.
    António.

    ResponderExcluir
  29. Passando pra agradecer ao amigo! E convidar, tem post novo! Não tenho conseguido visitar a todos como gostaria.....
    Um abençoado e feliz fim de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  30. Obrigada por ter visitado o meu blog. Eu também estou te seguindo :D
    Adorei os textos e o conteúdo do seu blog.
    Bjs,
    Lui Pimenta

    ResponderExcluir
  31. Sentires à solta...emoções que não se conseguem calar.
    Um texto que prende.

    Parabéns!

    Beijo

    ResponderExcluir
  32. Sensacional o teu texto Luís!
    Emoção do início ao fim. e um final muito interessante!

    Adorei a tua escrita, prende, mantém a atenção!
    Gostei! .))))

    ^^

    ResponderExcluir
  33. Gostei bastante do texto.

    Já estou lhe seguindo também.

    O mundo sob o meu olhar

    ResponderExcluir
  34. Uuauu um mimo, adorei cada capítulo desta história q vai desenrolando-se aos poucos, vc tem uma bela linha de raciocínio, sb prender a atenção de quem lê e isto é muiito bom, pra vc vai do tio Castanha um fraterno abraço tchê.

    ResponderExcluir
  35. Oi Luis
    Você escreveu uma crônica de estontear qualquer um, já tem emprego garantido no jornal, mas se escrever contos com todas essas potencialidades que tem chegará, com certeza, a se um grande escritor.
    Há uma singela diferença entre crônica e conto. Crônicas são fatos isolados, tristes ou alegres que se esquecem facilmente, mas contos, quando realmente feito por um grande escritor, que futuramente será, jamais será esquecido.
    Pense...
    Parabéns
    Você é alguém especial
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  36. Olá Luis.
    Os teus textos prendem-nos do principio ao fim. Consigo visualizar tudo o que dizes, chega a ser estonteante. Isto sim, é escrever! Gosto muito da tua escrita, gostava de ler um livro escrito por ti.
    Abraçoa fraterno e fica com um óptimo fim de semana, cheio de alegrias.
    http://falandocomosmeusbotoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  37. Olá Luís! concordo co as colegas blogueiras, você deverá seguir em frente. Escreve muito bem, escreva um livro , não perca tempo menino, você vai longe!! Adorei tua visita, se for teu aniversário Parabéns!!!! Se não, parabéns do mesmo jeito, você é maravilhoso!! Abraçoss

    ResponderExcluir
  38. Oi, pulei para o proximo capitulo,
    confusa, mas querendo ilucidar essa narrativa de
    si Clive B....Vamos la?

    ResponderExcluir

Leia com atenção.
Não esquecendo que tudo é desenvolvido como poesia livre, seja uma crítica ou um ponto de vista.
Ninguém é obrigado a concordar, mas respeitar e ser sincero ajuda ^^