terça-feira, 27 de março de 2012

Confissões de uma Pista de Dança -- Toda Vida Começa na Primeira Viagem:

Toda alma é viajante. Cheia de sonhos, enganos, pesadelos. Bastaria um bom dia florido e tudo ficaria bem.
A viagem começa dentro de mim. Eis o passeio solitário, um 'olá' à vizinhança obscura das nossas ideologias. Quando menos se espera, lá está ele. Um tal pudor que antes adormecia. E como defesa única, claro, o ego. Nossa carapaça intransigente, eclíptica. Bem vindo ao ponto de partida.

Toda viagem, para que seja verdadeira, precisa de um passaporte notório. Aquele motivo incolor. Não basta os 'quês' e a 'quem'. Precisamos daquele 'porque' mesmo! E toda trajetória estará fadada ao fracasso, caso não esteja pronto a desafiar-se por completo.

Dentro em nós os sonhos são erguidos como arranha-céus dentre a virulenta hospedagem dos medos. Cá em nós, as esperanças abrigam bondosamente raios solares, mesmo com tudo batendo e gritando freneticamente - Fervilhando. Ainda assim, guardamos um espacinho especial para a fé.


E lá longe, no horizonte inesperado, a orquestra não pára. A sinfonia reluz as catedrais do meu coração. Bastaria então que tais músicos vestindo preto e ouro perdessem pouco de sua fé para que o arranjo perfeito de suas eiras e beiras transformassem-se num ruído apaixonante de canção fúnebre.


Aaahhh som de despedida! Desapeguei tantos nomes de sobrenomes e sobrepus tantas mentiras pra evitar que a dor se alastrasse... Eis o enterro dos heróis pela alma.

Ainda hoje as cicatrizes esternas refletem o alvoroço do meu sangue. A viagem já ultrapassara sua metade. Era hora de decisões em fogo de brasa. Mas a dor parecia forte demais. Ainda agora, ao reler meu conto, meus olhos enchem-se de lembranças mórbidas e recordações varridas do espírito. Refuga a felicidade e relembre os velhos tempos - disse. Os ventos de prata que faziam meu cabelo brilhar e meus joelhos tremerem... Amor sem dor é como roleta russa sem balas, afinal.


Toda viagem deve ser solitária. Em tal rua abandonada pelo crepúsculo das histórias que não se contam em livros, o vi despedir-se. Nada é fácil tratando-se de fim. Novo início. Novo adeus... Apenas uma noite nos separou da eternidade.

E mesmo agora que vejo a viagem chegando ao seu fim, não consigo mais parar. De que adianta felicidade solitária, afinal?

Mas toda viagem se faz necessária quando se precisa encontrar respostas. E mesmo que eu não as tenha, sei que cada fuga motivada pelos motivos mais fúteis e imperdoáveis será lembrada como início do desapego.

Agora, dentre todos estes túmulos que rodeiam a verdade, vejo que em cada um deles sepultei parte da minha vida.


Um a um os heróis tornaram-se vilões e as estrelas receberam seus próprios céus. Meus amores foram mutilados em sanguinário grito desesperado de liberdade. Minha infância fora inflamada num córrego maldito de hiperresponsabilidades. Meu caráter posto à prova em dilacerações físicas, escanteamento natural e gosto duvidoso por entorpecentes -- Pra mim, anestésicos da realidade. Da verdade... E meu talento enfim engulido em drama e abandono.


Talvez nem toda viagem necessite ser uma trégua alcançada numa tarde de outono, perante o pôr-do-sol naquele lugarzinho donde hei de descansar... Mas na certa toda viagem é uma guerra findada e um acordo perpétuo de novos confrontos que nascerão, viverão e morrerão.
Como que uma gaivota que leva consigo os ventos do sul ao norte, sem ofensas, sem segundas intenções.
Apenas uma viagem solitária.

12 comentários:

  1. Realmente, muito bom o texto! Conseguiu prender minha atenção, mesmo sendo um pouco grande. Parabéns!

    http://zonegameplay.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. ótimo blog! to seguindo aqui tbm
    sou do http://meucarroevermelho.blogspot.com.br/
    abração!

    ResponderExcluir
  3. é difícil um texto grande consegui
    prender a atenção dos leitores e
    o seu conseguiu, parabéns

    ResponderExcluir
  4. Realmente as viagens solitárias são as mais recompensantes ao final do dia, nada melhor que se fechar em um mundo introspectivo e poder reavaliar seus valores e sua vida de maneira geral, as pessoas ao redor, como vc disse saber quem quem são os herois e vilões da história... muito bom o texto, envolvente como disseram acima.. flw e boa semana..
    _________________________________
    http://anteontemmusical.blogspot.com.br/
    http://titulobacana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. bacana, eu tenho acompanhado seus posts com certa frequência...

    ResponderExcluir
  6. É com mto prazer que vou seguir este blog. Adorei a forma que vc escreve e como transmite suas idéias.
    O texto é excelente, revela mto a natureza humana. gostei, tah de parabéns.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Não sei se foi uma análise só minha ou se foi intenção do texto,mas encarei isso como se tivesse falando da morte.rsrs

    finzindefesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. nossa - terminei de ler isso completamente atordoada (no bom sentido); parecia que estava entrando dentro de minha própria alma..
    muito bem escrito e muito verdadeiro.
    posso perguntar se foi uma análise do escritor? o fato de ser obrigado a viajar sempre e a todo momento? para criar, para reinventar? viajar para o futuro, para o passado, para dentro de si? se não for, desculpa :x mas entendi assim (:
    mas enfim, muito bom - parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Oiiii! Obrigada pelos elogios e pelas "boas sortes"! Vim retribuir-lhe com o mesmo agrado! heeh
    parabéns pelas palavras, continue sempre seguindo em frente e se esforçando sempre pra alcançar o sucesso! :D

    ResponderExcluir

Leia com atenção.
Não esquecendo que tudo é desenvolvido como poesia livre, seja uma crítica ou um ponto de vista.
Ninguém é obrigado a concordar, mas respeitar e ser sincero ajuda ^^